VILAR DE MOUROS SEMPRE

Blogue que visa a promoção e divulgação de Vilar de Mouros, sua cultura, seus interesses, necessidades, realizações e suas gentes, mas que poderá abordar também outros temas, de ordem local, regional ou mesmo nacional.

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

BOAS FESTAS, COM MUITA LUZ E COR

Tal como já o fiz em 2013, também este ano decidi colher, percorrendo várias freguesias do concelho de Caminha, algumas imagens das múltiplas representações, cheias de luz e cor, por todo o lado espalhadas,  alusivas à quadra festiva que atravessamos, de Natal, Ano Novo e Reis.


Com mais sobriedade do que noutros tempos, de vacas gordas, nem por isso deixam de ter a sua beleza e de contribuir para a preservação de uma prática cultural já profundamente enraizada nas nossas gentes. Assim, bem haja quem, de algum modo, ajudou a engalanar, uma vez mais, as nossas praças, largos e ruas.


Não tendo tido oportunidade de visitar todas as freguesias, como gostaria, garanto-vos que, mesmo assim, já apanhei uma dose de frio bem superior à que estava nos meus planos.

As imagens que publico, selecionadas de entre aquelas que me pareceram de maior interesse, mais não pretendem do que dar uma pequena ideia àqueles conterrâneos que, por qualquer motivo, não puderam estar presentes, da sempre renovada e colorida encenação noturna do nosso concelho, no período natalício. E, já agora, a todos os meus amigos de outras paragens que, conhecendo ou não Caminha, quem sabe se com estas pequenas "guloseimas" não ficam mais motivados a virem visitar-nos.

Feliz Ano Novo 2015 para todos.






















domingo, 21 de dezembro de 2014

FESTA DE NATAL DO CENTRO ESCOLAR DE VILAR DE MOUROS


A Festa de Natal do Centro Escolar de Vilar de Mouros teve lugar, este ano, no dia 12 de Dezembro, nas instalações do edifício habitualmente conhecido por Dómus, da Fábrica da Igreja da freguesia.
Desta vez, e ainda bem, tratou-se de uma iniciativa comum, envolvendo todo o corpo docente, auxiliares e alunos do Jardim de Infânca e do Primeiro Ciclo. Foi aproveitada a oportunidade para prestar uma singela mas  bem merecida homenagem à professora Maria José, que trabalhou longos anos nesta escola, onde deixou muitos amigos, tendo-se reformado apenas há uns meses atrás.
Os pais (sobretudo as mães…) tiveram uma importante participação, quer na preparação do evento quer no  espectáculo em si, interpretando inclusive, no palco, uma engraçada e bem singular versão do conto in-

fantil do Capuchinho Vermelho. As imagens que junto (vídeo e fotos) com a qualidade possível, dadas as condições em que foram obtidas, já dão uma ideia do ambiente de alegria, são convívio e espírito natalício que aí se viveu.

Parabéns a todos e, já agora, os meus votos de Boas Festas e um 2015 com tudo de bom.























sábado, 20 de setembro de 2014

(Caldo em) TORNADO EM VILAR DE MOUROS

Palco construído para o Festival de 1982
Parece não restarem dúvidas: um tornado, ainda que de pequenas dimensões (nem quero imaginar o que aconteceria se tivessem sido grandes…) atingiu Vilar de Mouros na noite de terça para quarta feira passada, 16 de Setembro de 2014.

Depois de mais um dia com períodos de chuva intensa e algum vento, por volta das 23H45, acabava eu de arrumar o carro debaixo do barraco onde habitualmente fica quando, estando ainda no seu interior e com os faróis ligados, tudo aconteceu.

Foi uma questão de meia dúzia de segundos, com estrondos enormes, uns objetos a cair, outros a levantar voo, como se de pássaros se tratasse e, disso nunca mais me vou esquecer, o meu gato amarelo, apenas com uns meses de idade, a fugir, espavorido…precisamente em direção contrária ao vento fortíssimo que soprava, de sul para norte. Como conseguiu, nem faço ideia, mas sei que escapou são e salvo, voltando a casa só muitas horas depois…com a farda suja mas sem rasgões. 
Estás preparado para a vida, bichaneco…


Entretanto, saindo do carro e olhando para cima, para a cobertura do barraco, verifico que existia lá um buraco: algumas telhas haviam-se deslocado e uma delas estava em cacos ali mesmo, no chão, a um metro de distância! Com tanta confusão nem a ouvira cair e…não acertou em mim nem no carro por um triz! Sou um homem com sorte.

Aos poucos fui-me apercebendo do que realmente se passara. O telhado de minha casa tinha várias telhas partidas e muitas fora do sítio. O cume foi todo à vida…A chuva, que não parava de cair, entrava em vários pontos para o sótão, ameaçando invadir o resto da habitação.

Remediei o que pude, enviei uma mensagem, pela 01H00, ao Rui Adão (operário da construção civil venadense que, por coincidência, andava a fazer uns trabalhos para mim desde há uns dias), explicando a situação, pedindo-lhe que passasse por lá na manhã do dia seguinte o mais cedo possível e…deitei-me. Só não rezei porque a minha fé, que nunca foi famosa, esfarraparam-na toda há muito…


Largo de Chelo
Ora, não é que o Rui, passado cerca de meia hora, estava a bater-me à porta, pronto para ajudar?! Foi para cima do telhado, de noite, a chover e a ventar, ajeitou o que pôde e o certo é que mais água não passou lá para dentro. Rui, tu não cumpriste o teu dever, tu foste muito além daquilo que te competia. Por isso aqui te deixo o meu obrigado e reconhecimento públicos por um gesto exemplar que, cada vez mais, se usa menos!

Voltando ao (caldo em) tornado, não me interessa repetir o muito que já foi dito e registado fotograficamente sobre o assunto, com maior ou menor rigor, pelas mais diversas entidades, pessoas e meios. Por me parecer interessante, deixo aqui um link para o trabalho que o caminha2000 já publicou sobre o assunto. 

Largo do Casal - trabalhos de recuperação
Pela minha parte limitar-me-ei a acrescentar algumas considerações, um tanto a sério, um tanto a brincar, sobre um assunto que não é para brincadeiras… e a publicar umas tantas fotos que acrescentem algo de novo (pelo menos é essa a intenção) ao muito que já foi publicado. 

Não me lembro e julgo que ninguém se lembra de alguma outra vez ter acontecido uma coisa semelhante em Vilar de Mouros. Segundo tudo indica, este fenómeno (coluna de vento ciclónico em área restrita... mas de grande poder destruidor) muito  frequente nas costas americanas, terá acontecido pela primeira vez na nossa freguesia. Claro que tinha logo de me apanhar a mim no seu caminho…de outro modo a piada não seria a mesma!

Largo do Casal, com poste derrubado
Apesar do aparecimento de alguns danos pontuais noutros sítios,  é interessante reparar onde o impacto do tornado foi mais devastador: precisamente em Chelo e no Casal. Isto, para muitas pessoas, poderá não dizer nada, mas para quem está dentro do assunto, bem…bem… (desde já aviso que não acredito em bruxas, pero que las ay…). É que Chelo foi, desde sempre, o local de residência do saudoso  Dr. António Barge, e o Casal o largo onde se fizeram e se continuam (às vezes…) a fazer os famosos


Festivais de Música que ele, com tanto entusiasmo e coragem, criou. Por outro lado, a sede do grupo musical (em vias de extinção, é verdade…), Lés a Lés, de que tanto eu como o meu irmão sempre fizemos parte, fica também em Chelo, onde residimos. Tudo isto faz-me pensar se não terá havido, no reino da meteorologia, algum golpe de estado extremista, com a deposição do velhinho S. Pedro e a tomada do poder por um qualquer Belzebu que não suporta a música... É que até o teclado que eu usava no grupo e que se encontrava num dos barracões semi destruídos  foi atingido e danificado por estilhaços de pedras e outros detritos provocados pela
intempérie! 

A minha casa, a do meu irmão e a da minha irmã, todas contíguas, foram, bem como os respectivos quintais, cobertos, barracões, árvores e outros bens, as mais massacradas da freguesia. A maior parte das fotos que apresento são obtidas nessas três propriedades (todas as que aparecem sem legenda incorporadas neste texto e outras devidamente identificadas, no fim da mensagem) e parecem-me bem demonstrativas do que afirmo mas, acreditem ou não, a minha intenção ao publicá-las não visa despertar o sentimento de caridadezinha tão típica do português com vista, quem sabe, à realização de algum peditório, ou à sensibilização para a obtenção de um qualquer subsídio institucional. Nada disso...é minha única intenção acrescentar algo ainda pouco ou nada conhecido ao muito que já foi dito e publicado, no sentido de se ficar com uma visão mais abrangente de tudo quanto se passou e, esperemos, não volte a repetir-se... 


A concluir não posso deixar de registar a prontidão,  a rapidez, a eficácia e a boa articulação que transpareceram da ação de todos quantos intervieram, e muitos foram (proteção civil, câmara, junta, bombeiros, GNR e populares) na reposição possível da normalidade pós-tornado, com um pequeno reparo, até porque a situação já está, no essencial, ultrapassada: acho que devia ter sido dada um pouco mais de prioridade à desobstrução do Largo de Chelo, de forma a possibilitar, com mais celeridade, o acesso automóvel a três habitações existentes no local.

Outras fotos
Largo do Casal

















Largo de Chelo




Aqui já reaberto ao trânsito

Propriedades privadas